CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra. Esse título conta com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos em até R$ 250 mil por emissor e por CPF.
Aplique em um título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra. Esse título conta com a proteção do FGC.

O que você precisa saber


O que são os CDBs?

Os CDBs (Certificados de Depósito Bancário) são títulos emitidos por instituições financeiras que remuneram o investidor por um prazo determinado no momento do investimento. Na prática, o investidor emprestará seu dinheiro para recebê-lo corrigido no futuro.
Qual a segurança dos CDBs?

Os CDBs são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição interbancária que protege investimentos de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos, para o caso do emissor do título não conseguir honrar seu compromisso financeiro.
Quanto rende um CDB?

A rentabilidade é definida no momento de compra do investidor no caso da prefixada, ou posteriormente, no caso da pós-fixada, pois depende do comportamento do seu indexador. Quanto mais longo é o vencimento de um CDB, maior tende a ser sua rentabilidade. Por isso, vale sempre pesquisar para encontrar a melhor taxa para o seu investimento.


Aprenda sobre renda fixa




O primeiro passo antes de começar a realmente investir é entender o conceito de Renda Fixa. No vídeo de hoje, Gustavo Cerbasi explica tudo o que você precisa saber sobre uma das principais modalidades de investimento.

O que é?
Os investimentos em renda fixa são recomendados para aqueles investidores que buscam certa previsibilidade na rentabilidade das aplicações, com taxas e prazos definidos no ato da contratação.

Quanto rendem títulos de renda fixa?
Esses títulos costumam ter três tipos de rentabilidade: pós-fixada, geralmente atrelada à Selic ou ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), prefixada, com taxa definida no momento do investimento, ou atrelada à inflação, quando é remunerada uma taxa fixa adicionada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Quais os riscos para investis
O grande risco para investir em Renda Fixa fica com a capacidade da instituição emissora do título que o investidor decide aplicar seu dinheiro honrar seus compromissos. Porém, títulos como o CDB, LCI e LCA contam com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege o investidor até um teto de R$ 250 mil por instituição financeira, a mesma garantia da poupança. Além disso, todos os títulos disponíveis no BTG Pactual digital passam por avaliação criteriosa antes de entrarem em nossa plataforma.


Custos

Taxas

O BTG Pactual digital não cobra taxa de custódia sobre o investimento em Tesouro Direto, mas, mesmo assim, existe a cobrança anual da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) obrigatória para os investidores do Tesouro Direto em todas as instituições financeiras de 0,25% ao ano. Aqui, nós contamos com o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic S FI RF), fundo que tem como objetivo acompanhar o CDI, indicador que anda muito próximo da Selic, e conta com taxa zero de administração.

Tributação

Com exceção dos papéis isentos de cobrança, estes são os impostos cobrados sobre a rentabilidade do investimento em papéis de Renda Fixa.

Alíquota IR 22,5% 20% 17,5% 15%
Prazo de Investimento 0 dias 180 dias 360 dias 720 dias
Alíquota IOF (somente quando o resgate for inferior a 30 dias. A partir de 30 você não paga IOF).

Dias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
% Rendimento 96 93 90 86 83 80 76 73 70 66 63 60 56 53 50 46 43 40 36 33 30 26 23 20 16 13 10 06 03 0

Regulamentação

CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil, por CPF ou CNPJ. Os riscos da operação com títulos de renda fixa estão na capacidade de o emissor (governo, em se tratando de títulos públicos, empresa ou instituições financeiras, em se tratando de títulos privados) honrar a dívida (risco de crédito); na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo (risco de liquidez); e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores (risco de mercado). Em se tratando de título privado, o risco de mercado inclui, ainda, o chamado prêmio do risco, que é aquele inerente à capacidade de pagamento da emissora do título. Muito importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. As informações aqui disponibilizadas não possuem relação com objetivos específicos de investimentos, situação financeira ou necessidade particular de qualquer destinatário específico, não devendo servir como única fonte de informações no processo decisório do investidor que, antes de decidir, deverá realizar, preferencialmente com a ajuda de um profissional devidamente qualificado, uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos face a seus objetivos pessoais e à sua tolerância a risco (Suitability).

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)


Título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra, lastreado por operações de crédito do setor agrícola. Tem isenção de IR e de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para pessoas físicas, além de contar com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos em até R$ 250 mil por emissor e por CPF.
Invista em um título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra. Esse título conta com a proteção do FGC e com isenção de imposto de renda para pessoas físicas.

O que você precisa saber


O que são as LCAs?

As LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) são títulos emitidos por instituições financeiras que remuneram o investidor por um prazo determinado no momento do investimento e são fonte de recursos para participantes do setor do agronegócio. Na prática, o investidor emprestará seu dinheiro para recebê-lo corrigido no futuro.
Qual a segurança das LCAs?

As LCAs são garantidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição interbancária que protege investimentos de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos, para o caso do emissor do título não conseguir honrar seu compromisso financeiro. De qualquer forma, todos os títulos distribuídos no BTG Pactual digital passam por uma análise de crédito na casa antes de serem distribuídos aos nossos clientes. Vale lembrar que o investidor em LCA não está exposto diretamente a nenhum risco no setor do agronegócio.
Quanto rende uma LCAs?

A rentabilidade é definida no momento de compra do investidor, no caso de prefixada ou posteriormente, no caso da pós-fixada, pois depende do comportamento de seu indexador. Quanto mais longo é o vencimento de uma LCA, maior tende a ser sua rentabilidade. Por isso, vale sempre pesquisar para encontrar a melhor taxa para o seu investimento. Além disso, esse é um investimento que não conta com a cobrança de imposto de renda para pessoa física.


Aprenda sobre renda fixa




O primeiro passo antes de começar a realmente investir é entender o conceito de Renda Fixa. No vídeo de hoje, Gustavo Cerbasi explica tudo o que você precisa saber sobre uma das principais modalidades de investimento.

O que é?
Os investimentos em renda fixa são recomendados para aqueles investidores que buscam certa previsibilidade na rentabilidade das aplicações, com taxas e prazos definidos no ato da contratação.

Quanto rendem títulos de renda fixa?
Esses títulos costumam ter três tipos de rentabilidade: pós-fixada, geralmente atrelada à Selic ou ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), prefixada, com taxa definida no momento do investimento, ou atrelada à inflação, quando é remunerada uma taxa fixa adicionada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Quais os riscos para investis
O grande risco para investir em Renda Fixa fica com a capacidade da instituição emissora do título que o investidor decide aplicar seu dinheiro honrar seus compromissos. Porém, títulos como o CDB, LCI e LCA contam com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege o investidor até um teto de R$ 250 mil por instituição financeira, a mesma garantia da poupança. Além disso, todos os títulos disponíveis no BTG Pactual digital passam por avaliação criteriosa antes de entrarem em nossa plataforma.


Custos

Taxas

O BTG Pactual digital não cobra taxa de custódia sobre o investimento em Tesouro Direto, mas, mesmo assim, existe a cobrança anual da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) obrigatória para os investidores do Tesouro Direto em todas as instituições financeiras de 0,25% ao ano. Aqui, nós contamos com o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic S FI RF), fundo que tem como objetivo acompanhar o CDI, indicador que anda muito próximo da Selic, e conta com taxa zero de administração.

Tributação

Com exceção dos papéis isentos de cobrança, estes são os impostos cobrados sobre a rentabilidade do investimento em papéis de Renda Fixa.

Alíquota IR 22,5% 20% 17,5% 15%
Prazo de Investimento 0 dias 180 dias 360 dias 720 dias
Alíquota IOF (somente quando o resgate for inferior a 30 dias. A partir de 30 você não paga IOF).

Dias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
% Rendimento 96 93 90 86 83 80 76 73 70 66 63 60 56 53 50 46 43 40 36 33 30 26 23 20 16 13 10 06 03 0

Regulamentação

CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil, por CPF ou CNPJ. Os riscos da operação com títulos de renda fixa estão na capacidade de o emissor (governo, em se tratando de títulos públicos, empresa ou instituições financeiras, em se tratando de títulos privados) honrar a dívida (risco de crédito); na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo (risco de liquidez); e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores (risco de mercado). Em se tratando de título privado, o risco de mercado inclui, ainda, o chamado prêmio do risco, que é aquele inerente à capacidade de pagamento da emissora do título. Muito importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. As informações aqui disponibilizadas não possuem relação com objetivos específicos de investimentos, situação financeira ou necessidade particular de qualquer destinatário específico, não devendo servir como única fonte de informações no processo decisório do investidor que, antes de decidir, deverá realizar, preferencialmente com a ajuda de um profissional devidamente qualificado, uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos face a seus objetivos pessoais e à sua tolerância a risco (Suitability).

LCI (Letra de Crédito Imobiliário)


Título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra, lastreado por operações de crédito do setor imobiliário. Tem isenção de IR, além de contar com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos em até R$ 250 mil por emissor e por CPF.
Invista em um título privado emitido por instituições financeiras com prazo e taxa definidos no momento da compra. Esse título conta com a proteção do FGC e com isenção de imposto de renda para pessoas físicas.

O que você precisa saber


O que são as LCIs?

As LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) são títulos emitidos por instituições financeiras que remuneram o investidor por um prazo determinado no momento do investimento, sendo fonte de investimentos para o setor imobiliário, pois são lastreados em créditos imobiliários. Na prática, o investidor emprestará seu dinheiro ao setor imobiliário para recebê-lo corrigido no futuro.
Qual a segurança das LCIs?

As LCIs são garantidas pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição interbancária que protege investimentos de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira, considerando o limite de garantia de R$ 1 milhão para cada período de quatro anos, para o caso do emissor do título não conseguir honrar seu compromisso financeiro. Vale lembrar que o investidor em LCI não está exposto diretamente a nenhum risco no setor imobiliário.
Quanto rende uma LCIs?

A rentabilidade é definida no momento de compra do investidor no caso de prefixada, ou posteriormente no caso da pós-fixada, pois depende do comportamento do seu indexador. Quanto mais longo é o vencimento de uma LCI, maior tende a ser sua rentabilidade.. Por isso, vale sempre pesquisar para encontrar a melhor taxa para o seu investimento. Além disso, esse é um investimento que não conta com a cobrança de imposto de renda para pessoas físicas.


Aprenda sobre renda fixa




O primeiro passo antes de começar a realmente investir é entender o conceito de Renda Fixa. No vídeo de hoje, Gustavo Cerbasi explica tudo o que você precisa saber sobre uma das principais modalidades de investimento.

O que é?
Os investimentos em renda fixa são recomendados para aqueles investidores que buscam certa previsibilidade na rentabilidade das aplicações, com taxas e prazos definidos no ato da contratação.

Quanto rendem títulos de renda fixa?
Esses títulos costumam ter três tipos de rentabilidade: pós-fixada, geralmente atrelada à Selic ou ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), prefixada, com taxa definida no momento do investimento, ou atrelada à inflação, quando é remunerada uma taxa fixa adicionada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Quais os riscos para investis
O grande risco para investir em Renda Fixa fica com a capacidade da instituição emissora do título que o investidor decide aplicar seu dinheiro honrar seus compromissos. Porém, títulos como o CDB, LCI e LCA contam com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege o investidor até um teto de R$ 250 mil por instituição financeira, a mesma garantia da poupança. Além disso, todos os títulos disponíveis no BTG Pactual digital passam por avaliação criteriosa antes de entrarem em nossa plataforma.


Custos

Taxas

O BTG Pactual digital não cobra taxa de custódia sobre o investimento em Tesouro Direto, mas, mesmo assim, existe a cobrança anual da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) obrigatória para os investidores do Tesouro Direto em todas as instituições financeiras de 0,25% ao ano. Aqui, nós contamos com o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic S FI RF), fundo que tem como objetivo acompanhar o CDI, indicador que anda muito próximo da Selic, e conta com taxa zero de administração.

Tributação

Com exceção dos papéis isentos de cobrança, estes são os impostos cobrados sobre a rentabilidade do investimento em papéis de Renda Fixa.

Alíquota IR 22,5% 20% 17,5% 15%
Prazo de Investimento 0 dias 180 dias 360 dias 720 dias
Alíquota IOF (somente quando o resgate for inferior a 30 dias. A partir de 30 você não paga IOF).

Dias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
% Rendimento 96 93 90 86 83 80 76 73 70 66 63 60 56 53 50 46 43 40 36 33 30 26 23 20 16 13 10 06 03 0

Regulamentação

CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil, por CPF ou CNPJ. Os riscos da operação com títulos de renda fixa estão na capacidade de o emissor (governo, em se tratando de títulos públicos, empresa ou instituições financeiras, em se tratando de títulos privados) honrar a dívida (risco de crédito); na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo (risco de liquidez); e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores (risco de mercado). Em se tratando de título privado, o risco de mercado inclui, ainda, o chamado prêmio do risco, que é aquele inerente à capacidade de pagamento da emissora do título. Muito importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. As informações aqui disponibilizadas não possuem relação com objetivos específicos de investimentos, situação financeira ou necessidade particular de qualquer destinatário específico, não devendo servir como única fonte de informações no processo decisório do investidor que, antes de decidir, deverá realizar, preferencialmente com a ajuda de um profissional devidamente qualificado, uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos face a seus objetivos pessoais e à sua tolerância a risco (Suitability).

CRI & CRA (Certificados de Recebíveis Imobiliários e do Agronegócio)


Título que gera um direito de crédito ao investidor, com prazo e taxa definidos no momento da compra, mas possibilidade de venda no mercado secundário antes do vencimento lastreado em créditos do agronegócio. Sua rentabilidade é isenta da cobrança de Imposto de Renda e, geralmente, sua rentabilidade é pós-fixada, atrelada ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário).
Aplique em títulos de créditos privados emitidos por securitizadoras, que geram um direito de crédito ao investidor

O que você precisa saber


O que são os CRIs e CRAs?

Os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e os CRAs (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) são títulos de crédito privado emitidos por securitizadoras, gerando um direito de crédito ao investidor. Assim, quem compra um CRI ou um CRA tem direito a receber uma remuneração do emissor aplicando em um produto que, por sua vez, capta recursos para financiar projetos de investimento no mercado imobiliário (CRI) ou do agronegócio (CRA) para uma companhia específica.
Qual a segurança dos CRIs e CRAs?

Os CRIs e CRAs, diferentemente de outros produtos de renda fixa, não contam com a garantia do FGC, o que exige ainda mais atenção por parte do investidor. O risco fica por cada emissão e pela empresa emissora, que em geral são avaliadas por agências de risco e recebem uma nota de crédito sobre o ele, também conhecida como rating. Essa nota é o que avalia a qualidade da emissão e do emissor e, consequentemente, o risco de crédito que o investidor deve considerar ao aplicar neste produto. Por exemplo, se a empresa receber um grande calote no bloco de recebíveis referente ao CRI investido, o investidor poderá sofrer perdas.
Quanto rende um CRIs e CRAs?

A rentabilidade dos CRIs e dos CRAs funciona de forma semelhante a outros produtos de renda fixa, com títulos pós-fixados e prefixados. Um dos diferenciais destes títulos é a isenção da cobrança de Imposto de Renda sobre seus rendimentos para pessoas físicas. A regra para a rentabilidade deste produto é, basicamente, a mesma de toda a renda fixa: quanto mais longo for o vencimento, maior tende a ser o valor pago ao investidor. Adicionalmente, outro fator sobre a rentabilidade fica com o rating (avaliação de crédito) do título. Quanto menor for a nota, maior costuma ser a rentabilidade, porém, mais arriscado fica o investimento.


Aprenda sobre renda fixa




O primeiro passo antes de começar a realmente investir é entender o conceito de Renda Fixa. No vídeo de hoje, Gustavo Cerbasi explica tudo o que você precisa saber sobre uma das principais modalidades de investimento.

O que é?
Os investimentos em renda fixa são recomendados para aqueles investidores que buscam certa previsibilidade na rentabilidade das aplicações, com taxas e prazos definidos no ato da contratação.

Quanto rendem títulos de renda fixa?
Esses títulos costumam ter três tipos de rentabilidade: pós-fixada, geralmente atrelada à Selic ou ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), prefixada, com taxa definida no momento do investimento, ou atrelada à inflação, quando é remunerada uma taxa fixa adicionada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Quais os riscos para investis
O grande risco para investir em Renda Fixa fica com a capacidade da instituição emissora do título que o investidor decide aplicar seu dinheiro honrar seus compromissos. Porém, títulos como o CDB, LCI e LCA contam com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege o investidor até um teto de R$ 250 mil por instituição financeira, a mesma garantia da poupança. Além disso, todos os títulos disponíveis no BTG Pactual digital passam por avaliação criteriosa antes de entrarem em nossa plataforma.


Custos

Taxas

O BTG Pactual digital não cobra taxa de custódia sobre o investimento em Tesouro Direto, mas, mesmo assim, existe a cobrança anual da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) obrigatória para os investidores do Tesouro Direto em todas as instituições financeiras de 0,25% ao ano. Aqui, nós contamos com o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic S FI RF), fundo que tem como objetivo acompanhar o CDI, indicador que anda muito próximo da Selic, e conta com taxa zero de administração.

Tributação

Com exceção dos papéis isentos de cobrança, estes são os impostos cobrados sobre a rentabilidade do investimento em papéis de Renda Fixa.

Alíquota IR 22,5% 20% 17,5% 15%
Prazo de Investimento 0 dias 180 dias 360 dias 720 dias
Alíquota IOF (somente quando o resgate for inferior a 30 dias. A partir de 30 você não paga IOF).

Dias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
% Rendimento 96 93 90 86 83 80 76 73 70 66 63 60 56 53 50 46 43 40 36 33 30 26 23 20 16 13 10 06 03 0

Regulamentação

CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil, por CPF ou CNPJ. Os riscos da operação com títulos de renda fixa estão na capacidade de o emissor (governo, em se tratando de títulos públicos, empresa ou instituições financeiras, em se tratando de títulos privados) honrar a dívida (risco de crédito); na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo (risco de liquidez); e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores (risco de mercado). Em se tratando de título privado, o risco de mercado inclui, ainda, o chamado prêmio do risco, que é aquele inerente à capacidade de pagamento da emissora do título. Muito importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. As informações aqui disponibilizadas não possuem relação com objetivos específicos de investimentos, situação financeira ou necessidade particular de qualquer destinatário específico, não devendo servir como única fonte de informações no processo decisório do investidor que, antes de decidir, deverá realizar, preferencialmente com a ajuda de um profissional devidamente qualificado, uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos face a seus objetivos pessoais e à sua tolerância a risco (Suitability).

Debêntures (Debênture Incentivada)


Título de crédito privado emitido por empresas que procuram um financiamento para seus compromissos financeiros. Esses papéis também podem ser negociados no mercado secundário e não contam com a cobrança de Imposto de Renda sobre seus rendimentos. Aplicar em uma debênture é, na prática, emprestar dinheiro para uma companhia com prazo determinado para receber seu dinheiro de volta.
Invista em um título de renda fixa emitido por companhias para fazer seu dinheiro render

O que você precisa saber


O que são as Debêntures?

Uma debênture nada mais é do que um título de dívida de uma companhia. Ao investir neste tipo de papel, o investidor “emprestará” dinheiro à uma empresa para recebê-lo em algum momento no futuro acrescido do pagamento de juros definidos no momento da compra. As companhias costumam captar recursos via debêntures para financiar novas operações ou para honrar compromissos financeiros no curto prazo, por exemplo.
Qual a segurança das Debêntures?

O principal risco de se investir em uma debênture é o de crédito da empresa em que se escolhe investir. Um exemplo: suponha que você aplicou em um papel emitido pela companhia X com vencimento em cinco anos. Ao fazer esse investimento, você confiará na capacidade da companhia em pagar este valor a você até o vencimento do título. É exatamente por isso que existe a avaliação de crédito, também conhecida como rating para que o investidor saiba bem os riscos de cada papel que investirá. Importante ressaltar que algumas debêntures não possuem rating, de modo que é preciso redobrar a atenção e pesquisar muito sobre a companhia emissora antes de investir.
Quanto rende uma Debêntures?

A rentabilidade das debêntures também pode ser prefixada ou pós-fixada, com juros definidos no momento da compra de acordo com cada papel. A lógica de toda renda fixa também se aplica às debêntures: quanto mais longo for o prazo e menor o rating da empresa emissora, maiores serão as taxas, porém maior será o risco. O diferencial é sua forma de amortização. Muitas debêntures costumam pagar cupons semestrais e amortizações parciais antes do vencimento e, assim, o investidor não necessariamente precisa esperar até seu vencimento para receber. Vale lembrar que também existem as debêntures incentivadas, que são papéis isentos da cobrança de Imposto de Renda sobre sua rentabilidade para pessoa física.


Aprenda sobre renda fixa




O primeiro passo antes de começar a realmente investir é entender o conceito de Renda Fixa. No vídeo de hoje, Gustavo Cerbasi explica tudo o que você precisa saber sobre uma das principais modalidades de investimento.

O que é?
Os investimentos em renda fixa são recomendados para aqueles investidores que buscam certa previsibilidade na rentabilidade das aplicações, com taxas e prazos definidos no ato da contratação.

Quanto rendem títulos de renda fixa?
Esses títulos costumam ter três tipos de rentabilidade: pós-fixada, geralmente atrelada à Selic ou ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), prefixada, com taxa definida no momento do investimento, ou atrelada à inflação, quando é remunerada uma taxa fixa adicionada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Quais os riscos para investis
O grande risco para investir em Renda Fixa fica com a capacidade da instituição emissora do título que o investidor decide aplicar seu dinheiro honrar seus compromissos. Porém, títulos como o CDB, LCI e LCA contam com garantia do FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege o investidor até um teto de R$ 250 mil por instituição financeira, a mesma garantia da poupança. Além disso, todos os títulos disponíveis no BTG Pactual digital passam por avaliação criteriosa antes de entrarem em nossa plataforma.


Custos

Taxas

O BTG Pactual digital não cobra taxa de custódia sobre o investimento em Tesouro Direto, mas, mesmo assim, existe a cobrança anual da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) obrigatória para os investidores do Tesouro Direto em todas as instituições financeiras de 0,25% ao ano. Aqui, nós contamos com o fundo Tesouro Selic Simples (BTG Pactual digital Tesouro Selic S FI RF), fundo que tem como objetivo acompanhar o CDI, indicador que anda muito próximo da Selic, e conta com taxa zero de administração.

Tributação

Com exceção dos papéis isentos de cobrança, estes são os impostos cobrados sobre a rentabilidade do investimento em papéis de Renda Fixa.

Alíquota IR 22,5% 20% 17,5% 15%
Prazo de Investimento 0 dias 180 dias 360 dias 720 dias
Alíquota IOF (somente quando o resgate for inferior a 30 dias. A partir de 30 você não paga IOF).

Dias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
% Rendimento 96 93 90 86 83 80 76 73 70 66 63 60 56 53 50 46 43 40 36 33 30 26 23 20 16 13 10 06 03 0

Regulamentação

CDB, LCI e LCA contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que garante a devolução do principal investido acrescido de juros referente a rendimentos, na hipótese da incapacidade de pagamento da instituição financeira, de até R$ 250 mil, por CPF ou CNPJ. Os riscos da operação com títulos de renda fixa estão na capacidade de o emissor (governo, em se tratando de títulos públicos, empresa ou instituições financeiras, em se tratando de títulos privados) honrar a dívida (risco de crédito); na impossibilidade de venda do título ou na ausência de investidores interessados em adquiri-lo (risco de liquidez); e na possibilidade de variação da taxa de juros e dos indexadores (risco de mercado). Em se tratando de título privado, o risco de mercado inclui, ainda, o chamado prêmio do risco, que é aquele inerente à capacidade de pagamento da emissora do título. Muito importante a adequada compreensão da natureza, forma de rentabilidade e riscos dos títulos de renda fixa antes da sua aquisição. As informações aqui disponibilizadas não possuem relação com objetivos específicos de investimentos, situação financeira ou necessidade particular de qualquer destinatário específico, não devendo servir como única fonte de informações no processo decisório do investidor que, antes de decidir, deverá realizar, preferencialmente com a ajuda de um profissional devidamente qualificado, uma avaliação minuciosa do produto e respectivos riscos face a seus objetivos pessoais e à sua tolerância a risco (Suitability).
Abra sua conta
logo